Filha da empregada


em exibição na exposição Histórico Escolar
Escola de Belas Artes — UFMG
outubro de 2017

Neste trabalho levanto questionamentos  sobre os espaços sociais ao quais pertencem a “filha da empregada”, tendo como referência a minha própria experiência, já que minha mãe exerceu durante grande parte da sua vida a função de empregada doméstica. A expressão “filha da empregada” tem sida usada muitas vezes de forma pejorativa com o intuito de expor a incapacidade desse individuo de mudar sua posição social, essa que já foi determinada pela sua hereditariedade. As frases da instalação foram retiradas de manchetes de jornais, relatos e vivências. 
A camiseta instalada também é utilizada por mim, durante a minha permanência dentro do espaço da exposição.